sábado, 5 de agosto de 2017

Câmara Municipal de Torres Novas Apoia G.F.A. de Riachos.

Através da “Mediotejo.net”  o Município de Torres Novas aprovouo por maioria dos seus constituintes na reunião camarária de dia 1 de Agosto num total de 5 votos a favor e dois contra um apoio de 4 mil euros a favor do Grupo Forcados Amadores de Riachos para ajudar nas despesas  com o seguro de forma a suportar eventuais despesas com acidentes de elementos do Grupo nas corridas para as quais está contratado. 



“O executivo municipal de Torres Novas aprovou por maioria na reunião camarária de 1 de agosto, terça-feira, atribuir um apoio de 4 mil euros ao Grupo de Forcados Amadores de Riachos, como forma de suportar o custo do seguro da associação. CDU e Bloco de Esquerda (BE) votaram contra, o segundo frisando ser o partido, a nível nacional, contra qualquer tipo de apoio público a touradas.

O presidente da Câmara, Pedro Ferreira, começou por explicar que a associação pedira um apoio de 10 mil euros para a realização de uma corrida de touros, que entretanto já decorreu. Após uma análise das despesas da associação, o autarca decidiu propor antes ao executivo a aprovação de um apoio no valor do seguro pago pelo Grupo de Forcados, cerca de 4 mil euros. ”Vincando todo o historial do grupo”, salientou, “não temos mais nenhum grupo de forcados no concelho”.

Da parte do PSD, o vereador Henrique Reis começou por constatar que 90% dos forcados da associação não são efetivamente de Riachos, mas que esse é um problema geral. Concordando com a proposta, frisaria a importância de que o grupo dinamizasse mais o seu espaço.

Tanto a CDU como o BE manifestaram-se contra a proposta, frisando Helena Pinto (BE) o princípio do partido em não apoiar qualquer tipo de touradas. Pedro Ferreira argumentaria que Torres Novas está inserido numa região muito ligada aos touros e aos cavalos, nomeadamente Riachos que tem um conjunto de eventos dedicados à pecuária, encontrando-se o município disponível para aprovar a proposta dentro desse contexto.


O apoio de 4 mil euros foi assim aprovado com cinco votos a favor (PS e PSD) e dois contra.”